Home >> Destaque >> Em 2017, Temer resistiu à pressão por renúncia e refez planos

Em 2017, Temer resistiu à pressão por renúncia e refez planos

retrospectiva do ano de 2017 para o presidente Michel Temer foi, sobretudo, de resistência. Com uma popularidade baixíssima, o peemedebista no início do ano se movimentava para se tornar candidato em 2018. Claro que o plano não foi pra frente e foi abortado de vez quando veio à tona a delação da JBS.

Como lembrou a Folha de S. Paulo, a divulgação do controverso diálogo entre Temer e o empresário Joesley Batista, porém, fez com que o presidente deixasse de lado o projeto e considerasse renunciar ao cargo, mais precisamente no dia 17 de maio.

Naquela quarta-feira, Temer se reunia com governadores em seu gabinete. Foi quando seu secretário de Comunicação, Márcio de Freitas, entrou apressado e fez um rápido sinal com as mãos para que ele encerrasse imediatamente o encontro.

Em uma sala reservada, o assessor estendeu a notícia impressa em uma folha de papel e perguntou: “O senhor falou isso mesmo ao Joesley?”

Freitas olhava para um Temer confuso, que dizia não se lembrar de detalhes, mas garantia não ter autorizado a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Por conta de repercussão imediatamente negativa, a explicação de Temer não serviu de nada.

“Ele estava atordoado, todos nós estávamos. Ele e o governo demoraram muito para se recuperar depois daquele dia”, disse à Folha o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral), um dos principais auxiliares do presidente.

Na manhã seguinte, Temer ouviu duas opções: enfrentar o processo com um desgaste sem precedentes ou encurtar seu mandato, propondo uma emenda constitucional para convocar eleições diretas para presidente em novembro, passando o poder a um novo mandatário já em 2018.

Quando subiu ao púlpito para bradar que não renunciaria, às 16h09 do dia 18 de maio, Michel Temer leu a segunda versão do discurso. Deu, ali, seu primeiro suspiro de alívio durante a crise.

Agarrando-se ao cargo, o presidente decidiu enfrentar as dificuldades que pareciam ininterruptas e infindáveis.

Assistiu à prisão, nessa ordem, de três de seus mais próximos aliados do PMDB [atual MDB]: Geddel Vieira Lima, Henrique Eduardo Alves e Rodrigo Rocha Loures –este, o assessor que correu na rua com uma mala contendo R$ 500 mil.

Passou pelas votações na Câmara de duas denúncias contra ele –uma por corrupção passiva, outra por obstrução da Justiça e organização criminosa– e teve de lidar com movimentos discretos, porém precisos, do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Além da crise política, o presidente teve problemas de saúde que o fizeram passar por três cirurgias e viu naufragar o avanço da principal bandeira de seu governo: a reforma da Previdência.

Temer não conseguiu, entretanto, amealhar os 308 votos para a nova Previdência. No fim das contas, ele não renunciou, também não foi apeado do cargo, mas continua com baixíssima popularidade –5% de ótimo/bom pelo Datafolha.

Sobre Notícias ao Minuto

Notícias ao Minuto

Veja Também

Rio confirma mais duas mortes por febre amarela no estado

A Secretaria Estadual de Saúde confirmou que o número de mortos por febre amarela no Rio ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.